Review: “O Guia Não Oficial de Mad Men – Os Reis da Madison Avenue” de Jesse McLean

Na contra-capa de seu livro, Jesse McLean explica que “como fã, de ‘Mad Men’ (…) procurei por toda parte e não consegui encontrar o livro que desejava. Por isso, o escrevi.” Seu interessante “guia não oficial” sobre o cultuado seriado pode satisfazer os fãs que procuram um livro para acompanhar “Mad Men” e com certeza vale pelo esforço do autor de explorar um programa de televisão além do programa de televisão.

“Mad Men” é um daqueles seriados que já no primeiro episódio você percebe estar diante de algo especial. Entra sitcom, sai sitcom, parece que só de dez em dez anos podemos nos dar sorte de contar com algo desse nível. É um programa de TV que não se deixa abater pelos limites da programação e nos entrega roteiro e direção excepcionais que, juntos com uma produção e elenco brilhantes, nos faz ter certeza que “televisão de qualidade” só depende de você procurar o canal certo.

“O Guia Não Oficial de Mad Men”, subtitulado “Os Reis da Madison Avenue”, apresenta uma análise interessante das primeiras duas temporadas e os pouco mais de 20 episódios iniciais do seriado. Jesse McLean deu atenção a cada episódio, revisitando a sinopse e elaborando cenas específicas e explicando o que elas significam. Em um programa como “Mad Men”, elas sempre significam algo. Nem que seja por estarmos falando de um seriado de época. McLean revisita situações sociais de época, explica Freud e Betty Friedan, analisa propagandas citadas, literatura e tradições culturais nova-iorquinas. Na dúvida do quão profundo um episódio de “Mad Men” pode ser, Jesse McLean lhe convence em míseras três páginas dedicadas por capítulo.

Algumas “curiosidades inúteis” enchem as páginas do livro. Um guia pela Nova York do seriado ou receitas de drinks que os personagens bebem talvez fossem mais apropriados em um livro sobre “Sex and the City”. “Mad Men” tem glamour, mas não precisa usar disso para disfarçar sua superficialidade. Ainda assim, como “brindes” para uma leitura de acompanhamento, funciona. E vai que você realmente fica curioso para saber o que é um Old Fashioned?

Baboseiras a parte (todo o capítulo sobre “como fazer uma festa ao estilo ‘Mad Men’” é desnecessário), a leitura é bem escrita. É fácil dizer quem foi Ayn Rand, mas explicar e aplicar sua filosofia na referência usada em um episódio é mais complicado. E McLean consegue. Mesmo que recheado por algumas futilidades que talvez tenham sido um truque editorial para render mais páginas, “O Guia Não Oficial de Mad Men” consegue ainda sim ser uma leitura fascinante. O seriado que lhe inspirou tem profundidade o suficiente para render muitas interessantes análises e os fãs com certeza encontrarão isso aqui.

Para um vinho tão delicioso de ser degustado como “Mad Men”, esta leitura de acompanhamento reforça a percepção de seu aguçado sabor.

Esse post foi publicado em Livros e marcado , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Review: “O Guia Não Oficial de Mad Men – Os Reis da Madison Avenue” de Jesse McLean

  1. Alicia Jaramillo disse:

    O design dos cartazes desta série, fotografia e cliada de sua produção de envidar todos os estréia de Mad Men causar muita expectativa na platéia. Eu realmente amo a série.

    Curtir

Comente aqui...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s