Review: “Boyhood – Da Infância à Juventude” de Richard Linklater

“Boyhood – Da Infância à Juventude” é um dos mais inusitados filmes já feitos, pois coube ao roteirista e diretor Richard Linklater gravar a história ao longo de 12 anos. As filmagens começaram em 2002 e terminaram somente em 2014, ano de seu lançamento. Como a história é focada em uma personagem que começa com 6 anos, terminamos a jornada com esta mesma pessoa já com 18 anos indo para a faculdade. Ou seja, isso já é o suficiente para criar uma obra única!

Mas claro que, para atingir essa meta, “Boyhood” enfrenta problemas. E esses problemas se encontram na história, extremamente realista e naturalista, mas que não conta nada. Ao longo dos doze anos de vida do jovem Mason ele passa por todas as etapas entre a infância à juventude, de brincar, fazer besteira, namorar, beber, sair de casa… Essas etapas são realizadas sem grandes eventos. Não existe em toda narrativa nenhum momento melodramático, o que é algo razoável dentro da meta do filme, de ser realista. Mas torna a história toda desinteressante. Apesar de algumas boas cenas, muito bem pontuadas por uma direção precisa, eis um épico de 160 minutos que navega inertemente pelo “viver a vida”.

A catarse, se você espera alguma, não virá. Mesmo com bons momentos ao final da jornada, geralmente estabelecidos nessa ideia do “olha como o tempo passa”, eles nunca criam o impacto que teriam criado fosse “Boyhood” – me dói dizer isso – um pouco melodramático. Nada contra o melodrama, mas ele geralmente é raso. Apela para uma resolução explosiva para atender uma necessidade de causar impacto. Que bom que “Boyhood” não se propôs a isso, criando uma experiência muito mais natural, entretanto o filme peca por não causar nenhuma emoção. Chega a ser frio! Fora alguns bons momentos, boa parte da trama é sobre um jovem vendo a vida de forma extremamente blasé. Realista? Ok. Interessante? Não necessariamente.

Richard Linklater é o responsável pela trilogia Antes (“Antes do Amanhecer”, “Antes do Pôr-do-Sol”, “Antes da Meia-Noite”) que se estendeu durante 18 anos. Ou seja, de projetos longos ele entende! Claro que a ideia de uma trilogia com longos intervalos é completamente diferente de um único filme gravado ao longo de um pedaço inteiro de uma vida. Sua direção é boa quando necessária e alguns enquadramentos são muito bonitos. Seu roteiro, entretanto, é menor. Os diálogos são muito bobos (sofríveis durante a adolescência do protagonista) e somos forçados a tolerar um garoto que não é um bom personagem.

Tal garoto é vivido por Ella Coltrane, que hoje em dia já é um homem. Quando criança ele é relativamente fofo, mas se torna muito chatinho quando adolescente. Não há arco em sua história e o ator (claramente imaturo) não dá conta de nos cativar. Se sai muito melhor sua mãe, vivida por Patricia Arquette, que carrega o filme. Mesmo sendo apenas uma coadjuvante, todo o foco emocional da história é ela. A mãe que vê seu filho crescer, que passa pelas tramas mais interessantes, a única que realmente amadurece alguma coisa! Se “Boyhood” fosse narrado do ponto de vista dela seria um filme muito mais interessante.

O pai é vivido por Ethan Hawke (sendo Ethan Hawke) e a irmã que começa insuportável e vira genérica é interpretada por Lorelei Linklater. Outros atores vem e passam, mas não deixam sua marca. A questão central para mim está nos personagens, não nos atores, e no pouco que eles representam – inclusive o protagonista. Fora a mãe (e, em menor escala, o pai) que é, de longe, a única personagem a ter uma história para contar. Apesar de ser um bom filme e, sem dúvida, uma única experiência, fico com a impressão que “Boyhood” seria muito mais interessante fosse “Parenthood”. De qualquer forma, méritos a Linklater por ter executado ideia tremendamente ousada!

Anúncios
Esse post foi publicado em Filmes, Reviews e marcado , , , . Guardar link permanente.

Comente aqui...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s