Review: “O Quarto de Jack” de Lenny Abrahamson

Inspirado nos inúmeros casos de sequestro onde a vítima é mantida em cativeiro por anos (mas por nenhum deles em particular), “O Quarto de Jack” conta a história de Joy e seu filho Jack. Ela foi sequestrada com apenas 17 anos e seu sequestrador a manteve presa em uma cabana, a estuprando com regularidade. Inevitavelmente Joy engravidou e teve seu filho nesta prisão, com a criança crescendo até os 5 anos de idade sem sequer ter noção de que existia um mundo inteiro além do quarto em que vive.

A primeira metade do filme mostra a relação da mãe e filho no quarto, com todas as limitações absurdas que uma pessoa teria nesta situação deplorável. Jack é uma criança ativa e bastante normal, pois Joy o criou para viver naquele quarto como se realmente fosse o Universo inteiro. Já a mãe está visivelmente cansada e por vezes tem crises de depressão, mas chega um momento que ela resolve revelar para o filho que de fato existe algo além das paredes daquele quarto. A cena é muito boa e pontua uma reviravolta importante: como Jack reagiria se eles finalmente fossem libertados?

A partir daí a mãe resolve bolar um plano para a fuga deles que dá certo e a metade final do filme é sobre os dois interagindo com este mundo novo. Especialmente para Jack, mas também para Joy – que, diferente do filho, tem completa noção de tudo que se passou e sofre um baque gigantesco ao voltar para a sua vida.

“O Quarto de Jack” é um filme simples, mas eficaz, sobre uma situação específica que realmente inspira cuidados ao ser tratada. Acho que ninguém é capaz de entender qual seria a sensação de uma mulher sequestrada na posição de Joy e seu filho. Somente as poucas que passaram por isso sabem dos traumas que se criam. Mas o filme consegue engajar em sua trama bastante pesada, com um toque de otimismo na visão infantil e pragmática de Jack. Existe um visível contraponto destas visões de mundo, os dois lados de uma mesma moeda: sombria do adulto e esperançosa da criança. Da infância livre da dor e da maturidade que sofre das cicatrizes.

“O Quarto de Jack” é dirigido por Lenny Abrahamson e tem no elenco Brie Larson como Joy e Jacob Tremblay como Jack. Larson está bastante impressionante no papel da mãe destruída, tentando ao máximo criar um mundo positivo para seu filho. Sua atuação cresce ainda mais quando os dois são libertados. Já Tremblay merece uma especial atenção, pois o que esse garoto faz neste complicado papel é trabalho que um adulto iria penar! Realmente uma atuação marcante e absurdamente madura. Joan Allen e William H. Macy também estão no elenco em papeis menores.

Anúncios
Esse post foi publicado em Filmes, Reviews e marcado , , . Guardar link permanente.

Comente aqui...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s